Monday, January 12, 2009

FUNERAL PARADE OF ROSES


Toshio Matsumoto é - com Susumu Hani e Hiroshi Teshigahara - um dos três realizadores que no princípio dos anos 60 (finais de 1950) instituiram (antes da liberdade 0da Nouvelle Vague Shochiku: Oshima, Yoshida e Shinoda) o termo independente ao cinema japonês, este último na altura completamente governado pela política de estúdios. Começando com documentários influênciados por uma espécie de moda neo-realista ou cinema-verité, as primeiras quatro obras de Matsumoto (o recém-encontrado "Bycicle in a dream", "The Weavers of Nishijin", "The Song of Stone" e "Mothers") são pequenos exercícios documentais, tentando tirar ao real alguma da sua vitalidade e vibração, mas sempre obdecendo aos cânones de apresentação filmada com intuitos de espectador. Depois disso, já nos finais dos anos 60, Matsumoto afirma-se como um vanguardista. Se na altura disse que Yoshida a partir do seu Eros plus Massacre (1969) era formalmente o mais apurado de toda a Nouvelle Vague Japonesa, então Toshio Matsumoto é o seu verdadeiro ex-aequo: a começar com o grandioso "Funeral Parade of Roses" (1969) que já estava prefigurado na sua curta do mesmo ano, "For the Right Damaged Eye". Matsumoto aqui junta-se às considerações dos seus contemporâneos (nomeadamente Oshima com o seu "Diary of a Shinjuku Thief" (1968) sobre a veracidade da coisa filmada, e relega o discurso fílmico para a falsidade do processo, ecoando uma tragédia clássica edipiana com um travesti e seu pai, sem embargo da influência homoerótica de Jean Genet. Eis que a pós-modernidade destrói a obra, e Funeral Parade of Roses torna-se no anti-filme do movimento por excelência. Depois, "Shura" ou Demons (1971) ou como aterrorizar a plateia. Matsumoto continuando a sua descontrução cinemática, disseca o gênero chambara (ou filmes de sabre), tornando-o numa verdadeira ode à carnificina, tragédia fechando-se nela mesma, espectáculo bizarro de vingança. "Shura" é outro das preciosidades da Nouvelle Vague e continua como sendo um dos seus pesadelos mais eficazes. Porém após "Shura", Matsumoto vira-se quase exclusivamente para o registo da curta-metragem, com o qual se tinha iniciado. Embora tenha feito alguns prodígios nesse registo ao longo dos anos 1970 e 80 (deixando-nos uma obra em video invejável), há um sentimento de rígida incompletitude que prevalece.

2 Comments:

Blogger Andrews said...

First you look so strong,
Then you fade away.
The sun will blind my eyes,
I love you anyway.
First you form a smile,
I watch you for a while.
You are a vapour trail,
In a deep blue sky.

Tremble with a sigh,
Glitter in your eye.
You seem to come and go,
I never seem to know.
And all my time,
is yours as much as mine.
We never have enough,
Time to show our love.

6:58 PM  
Blogger Mara Liz said...

uau, vc também voltou! está tudo muito chic, os posts estão deliciosos!

8:04 PM  

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

Links to this post:

Create a Link

<< Home