Monday, December 19, 2011

I WALKED WITH A ZOMBIE

Quando Val Lewton e o diretor Jacques Tourneur se uniram para fazer o seu segundo filme juntos, o mundo já estava em guerra por quatro anos. Ambos estiveram no palco europeu e sentiram a dor da guerra com uma intensidade única. Ambos os homens estavam interessados em explorar o que nunca foi representado - a mente feminina, o reino indefinível entre o natural e o sobrenatural, e os oprimidos. Eles investigaram uma realidade composta pelo intangível, uma verdade tênue. Sobre Tourneur, Scorsese diz: "É conveniente que tantos filmes de Jacques Tourneur tenham temática sobrenatural e paranormal, porque o seu próprio toque como cineasta é ilusório, ainda tangíveis, como a presença de um fantasma - de certa forma, você poderia dizer que o toque Tourneur é tão refinado e sutil que ele assombra seus filmes ". O projeto de Lewton e Tourneur, I Walked With A Zombie, nos assombra pela capacidade dos homens em mergulhar nas profundezas da psicologia humana, o medo, o desconhecido e a discriminação. Este filme apresenta elementos góticos do feminismo, uma visão de mundo desconstrucionista e simpatia pela culturas colonizadas.



Feminismo gótico ou o Feminino Monstruoso

A tradição gótica apresenta características que a tornam um estilo verdadeiramente único. Antigos castelos, mansões da família, donas de casa sub-reptícia, segredos maritais, jovens mulheres inocentes, heranças de família e esganiçados cantos distantes de figuras noturnas pontuam esta escola. Figuras femininas também são imagens proeminentes na tradição gótica história. Ao longo da evolução do gótico, personagens femininas tornaram-se cada vez mais ousadas e aventureiras . Elas podem ser uma vítima das circunstâncias, tanto quanto podem tomar decisões e trabalhar com suas próprias mãos. Muitas vezes há sacrifício envolvido, caso os planos não saiam como inicialmente projetados, mas a antevisão desta barreira já se instalou em sua consciência. Na verdade, esses personagens possuem suas próprias consciências e objetivos. Mais tarde, histórias Góticas - denominadas "romances góticos" - imprimiu esta nova figura emergente do sexo feminino contra os padrões do passado - hierarquia masculina, responsabilidades familiares, e outras tradições arcaicas - ao colocá-la em um estranho mundo onde as regras são desconhecidas, e o perigo, iminente.



Walk with a Zombie cumpre esta tradição gótica, e acrescenta uma nova camada de feminismo às leituras anteriores desta tradição. Lewton tinha trabalhado em Gone With the Wind, Rebecca, e Jane Eyre, com David O. Selznick antes de iniciar e dirigir sua própria unidade na RKO. Ironicamente, a RKO contratou Lewton para fazer filmes baratos, gerando dinheiro rápido visando compensar o saldo negativo advindo das contas de Cidadão Kane e Soberba, de Orson Welles. Entrementes, os estúdios da Universal tinham uma máquina eficiente de filmes de horror, tanto ligados ao background literário – Dracula de Bram Stoker, Frankenstein de Mary Shelley, o Médico e o Monstro, de Stevenson – o que gerou franquias rentáveis, quanto os descartáveis spookies teenagexploitation, com títulos como Frankenstein Meets The Wolfman, The Mummy, com Karloff, dirigido por Karl Freund. I Walked With A Zombie recebeu roteiro elaborado por Curt Siodmak, escritor de quase todos os filmes de terror da Universal. Diante do desafio, Lewton resolveu fazer seu próprio percurso, e decidiu por uma reformulação de "Jane Eyre" nas Índias Ocidentais. Com isso, Lewton cria um novo estilo gótico do feminismo.



Quanto a Jacques Tourneur, sua atração pelo Gótico remonta a sua infância. Ele relembra: “Fiquei cerca de quatro anos vivendo nos jardins de Luxemburgo. Meu pai, que antes de se tornar um cineasta, pintava e tinha trabalhado com Puvis de Chavannes, co-fundador da Société Nationale des Beaux-Arts e um dos expoentes do simbolismo na França. Seu estúdio era uma sala grande e misteriosa que me encheu de medo. Foi lá, na véspera de Natal, onde meus pais iriam colocar meus presentes, dizendo para mim: ‘Vá encontrá-los você mesmo.’ Havia um corredor muito longo, completamente negro, e eu podia ver ao longe as manchas brancas dos meus presentes. Eu andei em linha reta, sozinho, dividido entre o desejo pelos brinquedos e o medo quase enlouquecedor, que quase me fez desmaiar, especialmente porque os brinquedos em suas embalagens passaram a assumir uma aparência fantasmagórica.”



Esta união de medo e desejo, beleza e terror é prevalente no grande estilo de direção de Tourneur. Seus filmes mantém, muitas vezes, impressões duais e ambíguas. Objetos do cotidiano assumem aparências sinistras, e pessoas comuns acabam por se transformar em monstros. Desde o início da I Walked With A Zombie, Lewton apresenta um cenário estranho e inquietante. A heroína, Betsy Connell, (como Jane Eyre) chega para encontrar sua nova casa no qual deverá trabalhar como enfermeira. Em Fort Holanda ela é orientada: "já foi um forte, agora não mais." Embora haja comentários sobre a riqueza do passado, tudo agora é menos convidativo, rodeado por um alto portão de ferro, forjado.



O roteiro original descreve: "Em um canto está uma grande torre de pedra, obviamente, uma relíquia de um prédio anterior". Este lugar está em decadência, e representa uma ideologia do passado. O elemento gótico é persistente: uma casa em degeneração, até a decomposição, o seu espaço de vida umbral e a contração para o espaço de um necrotério e túmulo. Betsy vem de Ottawa, Canadá que contrapõem, em sua chegada às Antilhas, à cidade representada pelos clássicos prédios de arenito; o Canadá é limpo, branco e devidamente britânico, ao passo que as Índias Ocidentais são quentes, úmidas e cobertas por densas plantações que sugerem uma sensação de obscuridade e decadência. A casa como descrito no filme é labiríntica. Vemos quartos, mas não se sabe como eles se conectam. Há um jardim do pátio mas não sabemos a disposição das salas, impossibilitando os espectadores de criar um mapa mental, subsistindo a desorientação. A decoração é simples, mas encantadora, com exceção da fonte estranha no pátio: figura de proa de um navio, São Sebastião com flechas em seu dorso. Um São Sebastião enegrecido pelo mar e pelo tempo. Esta brutal imagem de um quase gárgula remonta a uma superstição comum às narrativas góticas, mas veementemente negada no decorrer da projeção da película. São Sebastião foi martirizado por arqueiros. A figura de proa do navio tinha como objetivo assustar o inimigo, bem como aplacar uma divindade enquanto a tripulação enfrenta uma passagem segura pelo mar. A figura totêmica, símbolo religioso comum em navios de final de 1600 e início de 1500, no auge da guerra entre católicos e protestantes e o início da contra-reforma é, também, no filme de Tourneur, uma imagem do negro, escravo, açoitado pelos colonizadores. Capitães e tripulação acreditavam que esses ornamentos esculpidos em madeira lhes traria sorte em suas viagens, mas, em contrapartida, não deixa de ser irônico que foi a partir destes navios que negros escravos aportaram nestas ilhas. A estranheza deste ícone é evidente, preocupante e, em sentido primeiro, torna-se um marco usado para designar o objeto de estudo do medo psíquico e físico, o estudo da relação entre a magnitude de um estímulo visual e a intensidade com que este é percebido por parte dos personagens e, em ultima instancia, nós mesmos, os solitários observadores. Mas Lewton não comunga desta fábula trazida à consciência na figura totêmica, mas, antes empresta às fábulas e pesadelos de uma época passada o repudio de sua autoridade; assim como os pioneiros protestantes conscientes do romance gótico levaram ao novo mundo velhos fantasmas da Europa católica, somente para, por ultimo, exorcizá-los. Lewton leva o cinéfilo a apreciar o sentimento assustador enquanto assiste a história se desenrolar. Tal ato só é possível em vista da aparente descrença no horror supranatural.



Betsy, a mulher que se encontra neste lugar estranho, estrangeiro, é a protagonista de I Walked With A Zombie. Ela narra a maior parte do filme e os acontecimentos são vistos a partir de sua perspectiva. Vemos a trama que gradualmente envolve a fêmea, ao invés de tê-la como o objeto da narrativa. Há perigo, mas não desamparo. Betsy é uma enfermeira, contratada para cuidar da esposa de Paul Holland, Jessica. Betsy é lógica e eficiente, como uma enfermeira deveria ser. Ela é bem-educada, gentil e compassiva, como uma mulher deve ser. Mas um forte desejo de encontrar uma cura para Jéssica, que se manifesta em um desespero sobrenatural, leva a narrativa sincopada a resvalar na superstição da personagem. Quando mostra disposição feérica em fazer qualquer coisa para ajudar a paciente, mesmo afirmando-se na delicadeza e ingenuidade, Betsy também demonstra sua independência e sua autodeterminação, características das heroínas da tradição gótica Quando Betsy aceita o trabalho que consiste em cuidar, e talvez curar, a esposa de Mr. Holland, Jessica, ela não imagina as dificuldades a vir: seria Jéssica um zumbi?



O personagem da enfermeira advém da dialética feminina decorrente da interação entre homens e mulheres durante a Segunda Guerra Mundial. Neste mundo nascituro não há desavenças entre a esposa e amante, mulheres adultas não são vistas como rivais sexuais, a função da amante é menos perturbadora do que construtiva.

Esta nova fêmea também é colocada em contraste com um personagem mais velhas do sexo feminino: a mulher vitoriana, como alguém que não tenha descartado a hierarquia masculina. O resultado que se vê é uma mulher desprovida de força de vontade, incapaz de falar ou até mesmo agir por si mesma (Jéssica, um produto da moral Vitoriana). Ela vai obedecer apenas a comandos simples.

Desconstrucionismo

Os personagens lidam constantemente com o absurdo de uma realidade fixa, algo verdadeiramente incompreensível e portanto opressor. A narrativa também desafia a noção de verdade empírica, postulando a impossibilidade de qualquer certeza e nenhuma identidade fixa. A verdade é contextual, estreitando o foco comparativo entre as idéias entronizadas mediante o padrão ocidental e a superstição primitiva das Índias Ocidentais; e assim coloca em questão a nossa capacidade de obtermos a verdade e a certeza. I Walked With A Zombie é um exercício sustentado pela ambigüidade; um filme que carrega antecessores elípticos (Cat People, 7Th Victim) através de sofisticados procedimentos narrativos oblíquos; um mundo onde o horror sempre se esconde sob a calma. O filme apresenta muitas possibilidades diferentes, sugestões, idéias e perguntas, enquanto reavalia-se constantemente. Tenta-se encontrar uma realidade que em tese não existe, uma intersecção de todas as facetas e aspectos apresentados na trama. Na chegada da enfermeira às ilhas, o marido de Jéssica profere estas palavras complementares: “Os peixes voadores - eles não estão pulando de alegria - Eles estão pulando de terror. Peixes maiores quererem comê-los. A água luminosa que leva o brilho de milhões de minúsculos cadáveres. é o brilho de putrefação. Não há beleza aqui, somente morte e decadência. Mas seria bom morrer aqui, acho que mesmo as estrelas querem isso.”




Ao questionar o básico - neste caso, a beleza - ele define o estágio que está por vir: as tradições dos nativos são constantemente questionadas, da mesma forma como o caráter dos personagens estão em constante fluxo.

A idéia de alguém vagando sem rumo e inconsciente é assustadora. Descobre-se que Jéssica avança pela escuridão da noite, logo após o canto dos tambores: a película encontra seu viés interrogatório. De fato, em cada instância do ponto e contraponto, a suposição é de não encontrar saída e ser forçado constantemente a reexaminar suas crenças, ao mesmo tempo em que mostra um mundo fantasmático, desconstruído em sua antítese binária - Vida e morte de escravos, beleza e feiúra, liberdade e colonialismo, enfim, um mundo além das perspectivas tratadas pelo filme. Um mundo extracampo. A sociedade agrária e colonialista apresentada por Lewton/Tourneur, simbolizada pela figura de São Sebastião no jardim, mostra o cativeiro e a exploração para os senhores do engenho, e a liberdade – através da morte – e o medo pela opressão, através dos olhos dos fracos.

Labels: , , , , ,

3 Comments:

Blogger huanglin said...

ray ban uk
pandora jewelry
michael kors outlet
hollister clothing store
air jordan 13
coach outlet stores
mont blanc pens
cheap soccer shoes
coach factory outlet
beats by dr dre
abercrombie
ray ban sungalss
coach outlet
jordan concords
louis vuitton handbags
michael kors outlet
michael kors outlet
michael kors outlet
coach outlet
hollister clothing
pandora charms
michael kors
louboutin
hollister
cheap nfl jerseys
true religion outlet
abercrombie
fitflops clearance
lebron james shoes
coach outlet
true religion jeans
fitflop shoes
yoga pants
jordan 11 gamma blue
hermes
toms outlet
burberry scarf
pandara jewelry
lebron james shoes 2015
mont blanc
caihuanglin20150629

9:48 PM  
Blogger John said...

abercrombie
toms outlet
coach outlet
the north face outlet
supra shoes
nike air max
michael kors outlet
uggs sale
coach outlet store online
ugg boots
abercrombie and fitch
ugg slippers
coach outlet
uggs on sale
louis vuitton
coach factory outlet
coach outlet
oakley sunglasses wholesale
chanel bags
nike running shoes
louis vuitton
louis vuitton outlet
oakley sunglasses wholesale
michael kors handbags
louis vuitton
ray ban sunglasses outlet
air max 95
ugg boots
michael kors outlet online
coach outlet
air max 90
20151212yuanyuan

5:07 PM  
Blogger dong dong23 said...

louis vuitton handbags
jordan retro
oakley sunglasses
kate spade handbags
oakley outlet
michael kors purses
hollister clothing store
cheap jordans
coach outlet store online clearances
ray ban sunglasses
cheap jordan shoes
louis vuitton outlet
louis vuitton outlet stores
nike uk
louboutin pas cher
toms shoes
tory burch sale
rolex watches
coach outlet
ralph lauren outlet
oakley sunglasses
coach factory outlet
coach outlet
nfl jerseys wholesale
jordan shoes
polo ralph lauren
christian louboutin outlet
cartier watches
polo ralph lauren
ray ban sunglasses
jordan 3
timberland outlet
kobe 9
adidas originals
michael kors outlet
ray ban
adidas outlet
coach outlet online
louis vuitton bags
louis vuitton handbags
20166.22wengdongdong

11:10 PM  

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

Links to this post:

Create a Link

<< Home